Muito silêncio, pois shâh-mât!

Concentração e paciência são os elementos essenciais para uma boa partida de Xadrez / Fotos: Adilson Lopez Concentração e paciência são os elementos essenciais para uma boa partida de Xadrez / Fotos: Adilson Lopez

Achou estranho? Mas não se assuste. O termo shâh-mât, na língua persa, significa “o rei está morto”, jargão muito usado pelos jogadores de Chaturanga (nome da primeira versão do jogo, na Índia), ou melhor dizendo, Xadrez, ao realizar o movimento que dá fim à partida. Ficou mais familiar agora? É isso mesmo, estamos falando do famoso xeque-mate.

É esse termo que os 100 xadrezistas dos nove municípios que estão participando da modalidade, na 61ª edição dos Jogos Regionais, mais desejam pronunciar durante as partidas.

“Em comparação com outras edições, temos um número expressivo de xadrezistas participantes, o que é muito bom. O xadrez é importante para o desenvolvimento intelectual dos jovens. A prática dessa modalidade aprimora o raciocínio, deixando-o mais rápido e lógico”, disse o experiente árbitro Olynto Meireles, 60.

“Esse esporte é tão maravilhoso que, em todos os meus anos de arbitragem, pude ver jogadores incríveis, de apenas 11 anos de idade, baterem adversários de 30 e 40 anos. É um jogo em que a idade não interfere; um garoto de dez anos pode jogar com um idoso centenário tranquilamente”, conclui Meireles.

As disputas de Xadrez dos Jogos Regionais estão acontecendo no Centro de Convivência do Idoso (CCI), localizado à rua Washington Luís, 603 – Jardim Soljumar.

Imagens